sábado, 23 de abril de 2016

Romênia expulsa do Eurovision 2016

Logotipo e Slogan do Festival de 2016,que será realizado na Capital da Suécia,Estocolmo
A Romênia não poderá participar do Eurovision 2016,devido a emissora pública nacional,a TVR ter dado um calote de uma dívida de aproximadamente CHF 16 milhões (R$ 60 milhões,US$16,4 milhões,€ 14,5 milhões).

Como resultado de uma dívida que vem sendo rolada desde janeiro de 2007,a EBU cassou o status de membro da Televiziunea Română (Televisão Romena),que é a emissora pública do país do Sudeste Europeu.O quer dizer que a emissora perdeu o seu acesso a Rede Eurovision de Notícias,juntamente com a Rede Eurovision de Esportes e os direitos de transmissão de todos os eventos envolvidos como o Eurovision Song Contest,a partir deste ano,juntamente com a EURO 2016™,os Jogos Olímpicos,além de uma categoria infinita de eventos culturais e esport


A Romênia participou 17 vezes do Eurovision e conseguiu como melhores posições o terceiro lugar em 2005 e em 2010.


A EBU tomou a decisão de expulsar a televisão romena foi tomada,após,a emissora não pagar a dívida até a data limite de 20 de abril (última quarta-feira) e também pela indiferença do governo do país em relação a manutenção da emissora.

A diretora geral da EBU Ingrid Deltenre disse: "É lamentável que nós somos forçados a tomar esta ação. Estamos desapontados que todas as nossas tentativas de resolver este assunto ter recebido nenhuma resposta do governo romeno. Nas últimas semanas, a UER recebeu um relatório do Ministério da Fazenda romeno, que por sua vez pode levar a uma profunda reestruturação da emissora. A EBU é uma associação sem fins lucrativos que representa 73 emissoras de serviço público em 56 países. O endividamento contínuo da TVR põe em risco a estabilidade financeira da própria UER ".
 

Desde 2010 inúmeras tentativas foram feitas para reestruturar a dívida e  oss planos de pagamento acordados que não tenham sido respeitados. A EBU entrou em contato com o governo romeno em quatro ocasiões distintas só este ano e não havia recebido respostas.
 
Em uma última carta ao Ministro das Fazenda da Romênia, Anca Dragu,enviada em 15 de Abril pela EBU,a entidade pediu o pagamento de CHF 10 milhões (R$ 36 milhões). A União também pediu para receber uma garantia bancária incondicional e irrevogável para o restante de CHF 6 milhões (R$14 milhões) até o final do ano.
 
O prazo foi prorrogado até quinta-feira 21 de abril, mas nenhum pagamento foi feito.
A EBU tem feito nos últimos anos várias vezes uma campanha para a mudança da forma de financiamento da TVR e realizou várias reuniões com representantes de alto nível do Estado, incluindo o Presidente da Romênia, o Ministro da Fazenda e ministro da Cultura. Durante estas reuniões, a UER promoveu constantemente o valor de ter uma mídia de serviço público verdadeiramente independente na Romênia, que garante o pluralismo e contribui para pessoas informadas e uma união do país.

Ovidiu Anton seria o representante romeno em Estocolmo,mas foi excluído da competição.Entretanto,sua música não será retirada da compilação oficial e nem do canal oficial no Youtube.

 
"Este é, um momento naturalmente decepcionante para o artista escolhido para representar a Romênia, para os nossos colegas da TVR que se esforçaram em relação a sua participação neste ano e, não menos importante, para os telespectadores romenos e os muitos fãs locais no país", disse Jon Ola Sand , Supervisor Executivo do Eurovision Song Contest, em nome da EBU,no canal do Youtube da entidade e do evento.

Logo após a expulsão do país,as seguintes decisões foram tomadas:

A entrada romena não será removida do CD oficial que já foi lançado,nem do canal do Youtube,devido a cortesia do artista.

A imprensa romena e fãs que tenham as suas credenciais válidas,estas irão continuar valendo e eles serão realocados para uma chamada delegação internacional,que estão incluidos os jornalistas e fãs de países não participantes.Os ingressos vendidos para os romenos continuam válidos sem problemas.

O Festival Eurovisão da Canção 2016 será em Estocolmo, em 10, 12 (semi-finais) e 14 (final) de maio.

Fonte: www.eurovision.tv 

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Eurovision 2016 estreia um novo,emocionante e imprevísivel sistema de votação !




O Eurovision 2016 sofrerá a maior mudança em sua votação em mais de 40 anos, mais precisamente 1975, quando o clássico sistema de votação de 1 a 8 -10 e 12 pontos foi implementado. A partir da edição 2016, os votos do público e do júri serão divididos e anunciados separadamente, assim como acontece no Melodifestivalen. Para quem assiste, funcionará da seguinte forma: cada portavoz anunciará os 12 pontos do júri de seu país, enquanto o resto da pontuação do júri aparecerá na tela; depois de todos os júris terem votado, os apresentadores anunciarão os resultados do televoto, sempre do menos votado ao mais votado. Logo após a final, todos os resultados serão publicados no site oficial do evento.

Em Estocolmo 2016, a votação vai ter duas fases diferentes. A primeira corresponde à apresentação dos votos do júri através de um porta-voz, que vai anunciar qual o país que merece os 12 pontos desses jurados.


As restantes pontuações (de 1 a 8 e depois os 10 pontos) vão aparecer automaticamente no placar.

Os resultados do televoto vão ser apresentados como um todo e serão anunciados pelos apresentadores, que este ano são Petra Mede e Mans Zelmerlöw. Eles vão anunciar em ordem inversa a sua classificação,quantos pontos cada país recebeu ao todo, somados os votos de todos países participantes. Desta forma, os organizadores esperam manter até ao fim a tensão até o último momento.

Se este modelo tivesse vigorado já em 2011, teríamos tido uma votação verdadeiramente emocionante A votação do júri, anunciada pelos porta-vozes de cada país, colocava a Itália no primeiro lugar, com 251 pontos, cerca de 70 pontos (181) a mais do que a canção do Azerbaijão, que ficou em segundo lugar no voto dos jurados. Depois de os apresentadores anunciarem os votos combinados do público, a Itália tinha sido apenas a 11.ª classificada do voto popular (recebendo, de uma vez só, 99 pontos) e, contra todas as expectativas, seria mesmo o Azerbaijão o vencedor,já que havia ganhado 223 pontos no televoto. Os resultados finais nesse ano ficariam assim:

1.º – Azerbaijão – 405 pontos
2.º – Itália – 350 pontos
3.º – Suécia – 327 pontos
4.º – Ucrânia – 285 pontos
5.º – Grécia – 260 pontos

O último lugar continuaria a pertencer à Suíça, com 55 pontos. O mesmo esquema aplicado ao Festival de 2015 teria produzido o mesmo top 3, mas a maior alteração seria o fato de não haver nenhum zero pontos – a Alemanha terminaria o concurso com 29 pontos (24 do júri e 5 do público) e a Áustria com 40 pontos (todos do júri, porque zerou). A probabilidade de um país voltar a ter zero pontos é praticamente nula.

Este novo modelo de votação foi decidido consensualmente pelo Conselho de Referência da UER. Termina o sistema vigente desde 2011,quando, um hibrido do televoto com os jurados valia para cada país.Os 50% de cada país continuam valendo.

E se os votos do júri ou do televoto de um país não forem válidos?

Júri inválido: um resultado substituto será calculado com base no resultado do júri de um grupo de países pré-selecionados,que historicamente tem votações parecidas, aprovados pela EBU e pelo grupo de referência.
Televoto inválido: um resultado substituto será calculado com base no resultado do público de um grupo de países pré-selecionados,que também tem historicamente uma votação parecida , aprovados pela EBU e pelo grupo de referência.

E se houver empate?

Em caso de empate, o maior número de 12 pontos decidirá o vencedor. Se o empate persistir, vai se para o número de 10 pontos e assim por diante. Ainda que pouco provável, se o vencedor não puder ser determinado dessa forma, vale o país que se apresentou primeiro no show em questão.

E as semifinais?

Durante as semifinais, também será utilizado esse novo método de votação.Entretanto,o formato não será alterado.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Brasileira faz história nas Surdolímpiadas de Inverno de 2015




Uma esquiadora de cross-country do Brasil surpreendeu o mundo esportivo ao ganhar a prova de largada em massa da XVIII Surdolímpiada de Inverno,realizada em Khanty-Mansiysk,na Federação Russa.Isadora Santos de 23 anos é a primeira brasileira na história a se consagrar campeã mundial ou olímpica em qualquer modalidade oficial de inverno.

O sucesso inesperado da brasileira  na prova é explicado por seu programa de treinamento intensivo de verão e sessão de treinamento no início do inverno nas montanhas .

"Eu estava muito preocupada que eu iria passar frio em Khanty- Mansiysk , - disse a atleta. - Aqui você tem um clima totalmente diferente. Mas hoje o tempo estava me ajudando a ganhar »

As Surdolímpiadas acontecem a cada 4 anos, e são o evento multiesportivo mais antigo depois dos Jogos Olímpicos .Os primeiros Jogos realizados em Paris em 1924,foram também o primeiro evento esportivo para portadores de necessidades especiais.4O evento sempre teve a periodicidade de quatro anos,exceto durante a Segunda Guerra Mundial e em 1949 foi criada a versão de inverno.Isadora é a primeira medalhista de ouro do Brasil na história do evento,o país já tem duas medalhas de bronze,conquistadas na versão de verão de 2013,na Bulgária.


quarta-feira, 25 de março de 2015

Firma Holandesa prevê Brasil em 8º lugar no Rio 2016‏

Os Estados Unidos vão terminar as próximas Olimpíadas de Verão de 2016 de acordo com um quadro de medalhas virtual publicada na data de ontem,quando faltavam 500 dias para a cerimônia de abertura dos Jogos em 5 de agosto de 2016.

A Infoestrada Sports,empresa sediada nos Países Baixos, que oferece dados originais aos serviços de comunicação para a indústria do esporte, previu que os EUA vão acumular um total de 97 medalhas - 47 de ouro, 21 de prata e 29 de bronze, seguidos pela China, com 76-28 ouro, 28 de prata e 20 de bronze - e a Rússia - 25 de ouro, 25 de prata e 24 de bronze. Nesta previsão levam -se em conta os resultados dos últimos campeonatos mundias,etapas de Copa do Mundo e eventos ao longo do ano.

Site prevê o tri-campeonato Olímpico para a Seleção Feminina de Vôlei,algo que só Cuba conseguiu.

Brasil em 8º.

Enquanto isso, foi projetado que o Brasil vai atingir o seu melhor total na história dos jogos - 10 de ouro, 14 de prata e três de bronze,totalizando 27 e colocando o país em um respeitável oitavo lugar.E o posicionando na frente de países historicamente fortes como Japão,Hungria e Itália e de potências emergentes como Coreia do Sul e Ucrânia (que deverá ter seu desempenho afetado pela Guerra Civil).Espera-se do Brasil uma performance forte em 15 esportes,sendo que os destaques serão o judô,o vôlei e a natação. Além disso, esperam-se medalhas inéditas no handebol e na luta Greco-romana. Se as previsões estiverem corretas, os EUA vão ter sete medalhas a menos do total atingido em Londres 2012, enquanto a China vai ter a sua pior performance desde Atenas 2004.
Previsão de medalhas para o Brasil no Rio 2016

Também foi previsto mais da metade das medalhas de ouro dos Estados Unidos serão conquistadas por mulheres, um feito alcançado primeira vez em Londres 2012, e que cerca de metade das medalhas dos EUA virá de natação e atletismo.


Os nadadores Missy Franklin, Kate Ledecky e Michael Phelps e a ginasta Simone Biles, foram apontados como os mais prováveis medalhistas nos em vários eventos individuais.Entretanto,o nome de Phelps pode ser considerado uma carta fora do baralho,já que recentemente anunciou sua aposentadoria.

As piores notícias se esperam da China,a previsão coloca o país com 28 medalhas de ouro,o mesmo patamar registrado em Sydney 2000, enquanto se espera da Rússia,o retorno ao terceiro lugar no quadro de medalhas,recuperando assim o lugar perdido para Grã-Bretanha em Londres 2012,entretanto com um número menor total de medalhas.O site fez a previsão sem os escândalos de doping que estão abalando o esporte russo.Para alguns países espera-se uma queda de rendimento como Itália e Grã-Bretanha.

Para visualizar o quadro:

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Welcome to Durban,Host City of 2022 Commonwealth Games

A edição de 2022 dos Jogos da Commonwealth será a primeira realizada no continente africano após a renúncia de Edmonton,no Canadá, anunciar que se retirou do processo da escolha da sede do evento.Esta também será a primeira vez que os Jogos da Commonwealth,terá duas edições consecutivas no Hemisfério Sul.

O prefeito Don Iveson alegou que os Jogos iriam custar C$ 1 bilhão  (aproximadamente R$ 2,25 bilhões), sendo um valor muito elevado para a província de Alberta cuja a base da economia é a extração de petróleo,cujos os preços estão em queda livre no mercado internacional.Durban será ratificada com sede em setembro,na Nova Zelândia. O comitê da candidatura de Durban disse que estava acompanhando a desistência da cidade canadense e assegurou que irá apresentar a documentação necessária para participar da disputa até dia 2.

Devido a queda dos preços do petroleo,a cidade canadense de Edmonton foi forçada a desistir da candidatura dos Jogos de Commonwealth de 2022.Esta não foi a primeira renuncia da cidade em anos recentes.A cidade desistiu de se candidatar para a Universíada de Verão e os Jogos Pan-Americanos deste ano.



A Federação dos Jogos da Commonwealth Games (CGF, na sigla em inglês) disse que segue confiante no sucesso do evento de 2022. "Estamos obviamente decepcionados ao ouvir que Edmonton não fará parte do processo da cidade-sede. Nós agora olharemos para a frente com entusiasmo para trabalhar com a equipe de candidatura de Durban", disse David Grevemberg, diretor-presidente da CGF.

Em 31 de janeiro de 2014, Gideon Sam , vice - presidente da Federação dos Commonwealth Games, foi citado no jornal The Namibian, afirmando intenções de que muito provavelmente os Jogos de 2022 seriam na África, após reuniões em Kuala Lumpur : "Decidimos que 2022 será a vez da África.Há um grande número de membros da Commonwealth na África e nós agora apelamos aos líderes africanos que tem que serem corajosos  e entrarem no clube dos Jogos da Commonwealth " " " Não podemos continuar fazendo o que fizemos no passado, quando votamos para as Regiões das Américas,Europa e Oceania e não para nós mesmos. Chegou a hora de mostrar ao mundo que não existem leões perambulando pelas ruas ou pessoas nuas andando por aí".A ida dos Jogos para a África afasta os rumores de que o evento estava em crise,depois do fracasso da edição de 2010,na Índia.Desde então,o número de cidades interessadas para sediar o evento caiu drasticamente.

Entretanto,graças ao sucesso da edição do ano passado em Glasgow,na Escócia,o evento ganhou um novo fôlego.Em média é normal que devido ao número limitado de países na Commonwealth,o número de países candidatos,não passa de 3,ou então é normal que apenas uma cidade seja candidata ( a ultima vez que isso aconteceu foi em 1999,quando Melbourne,foi a única candidata aos Jogos da Commonwealth de 2006).A última cidade africana a se candidatar para o evento foi Abuja,a capital da Nigéria que acabou perdendo em 2007 para Glasgow,que sediou com sucesso,os Jogos do ano passado.

Durban será a primeira cidade africana a sediar os Jogos da Commonwealth e tem uma configuração urbana muito parecida com Gold Coast,sede dos Jogos de 2018.Entre as 11 sedes dos jogos da Copa do Mundo FIFA de 2010,é considerada a que tem maior legado.


A intenção de Durban de sediar os Jogos da Commonwealth tem sido visto como preparação para uma nova tentativa sul-africana para sediar uma edição da Olimpíada, muito provavelmente para os Jogos de  2028. No entanto, as autoridades sul-africanas ainda não apresentaram sua candidatura, apesar de o país ser considerado um bom candidato após realizar a Copa do Mundo de 2010. Até hoje,a África nunca sediou os Jogos Olímpicos.Em 1997, a Cidade do Cabo,bateu na trave,mas acabou perdendo para Atenas,os Jogos Olimpicos de Verão de 2004.

O Estádio Moses Mabhida construido para a Copa do Mundo FIFA de 2010,será a sede das cerimônias e muito provavelmente sediará as competições de atletismo e de rúgbi 7s.



Edmonton,apesar de ter renunciado é uma cidade experiente em eventos internacionais pois já sediou os Jogos da Commonwealth em 1978,a Universíada de Verão de 1981, o Mundial de Atletismo de 2001,além de inúmeros eventos.Nesse ano,Edmonton será sub-sede da Copa do Mundo FIFA de Futebol Feminino.A próxima edição será entre 4 a 15 de abril de 2018,em Gold Coast,Queensland,Austrália.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Mudanças nos Jogos Olímpicos,a partir de 2018 são aprovadas



 
Gastos absurdos da Rússia em relação aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Inverno de 2014 foram os principais motivos das mudanças nos Jogos Olímpicos

O Comitê Olímpico Internacional (COI) iniciou na manhã desta segunda-feira (horário de Brasília) o maior processo de mudança no perfil das Olimpíadas. As 13 recomendações apresentadas pelo presidente Thomas Bach na sessão matinal da 127ª assembleia da entidade foram aprovadas pelo conselho votante e abriram as portas para a organização de Jogos mais baratos para as sedes, mais atraentes para o público, atletas e ligas profissionais, e com um programa mais flexível de eventos.As mudanças não estão sendo aplicadas aos Jogos Olímpicos de Verão de 2016,no Rio de Janeiro,que serão as últimas no atual formal.

Dentre os principais tópicos já avaliados estão a mudança do processo de postulação de candidaturas, assim como a abertura da possibilidade para que duas cidades de dois países diferentes sejam candidatas e já existe uma proposta de Hamburgo e Copenhague para isso. Outro ponto importante foi a derrubada do limite rígido de 28 esportes nas Olimpíadas de Verão. A proposta do COI é que o programa seja baseado no número de 310 provas, e não no número de esportes. A sugestão inclui ainda um limite máximo de 10,5 mil atletas e cinco mil profissionais de comissão técnica. Nos Jogos de inverno o limite seria de 2,9 mil atletas e dois mil técnicos.
Hamburgo na Alemanha,é a candidata alemã para os Jogos Olímpicos de Verão de 2024,se discute-se agora se algumas provas irão para a vizinha Copenhague,na Dinamarca.


A partir de agora, uma mesma Olimpíada pode acontecer em cidades e países diferentes. Atualmente, dependendo das características do país-sede, alguns eventos já acontecem em outras regiões distantes da cidade que abriga a competição - em  Beijing-2008,as provas do hipismo foram em Hong Kong,enquanto as provas da vela foram em Qingdao,em Londres-2012 foi a vez do famoso porto de Southampton sediar as provas da vela.

De acordo com o diretor do grupo de trabalho que propôs algumas das alterações, o australiano John Coates, o interesse do COI é tornar os Jogos Olímpicos mais atrativos e sustentáveis para as cidades.

A partir de agora, serão apenas quatro as apresentações públicas exigidas pelo COI. O uso de instalações provisórias será incentivado. Projetos adaptados à realidade social, econômica e esportiva dos países serão bem vistos pela entidade.

Segundo Coates, o processo da própria candidatura será mudado, transformado em um convite ao debate em cooperação com COI, e não "na aquisição de uma franquia". Será acrescentado um primeiro período de consultas aos interessados para avaliar como os Jogos Olímpicos podem se encaixar melhor nas futuras sedes.

"Os Jogos podem ter êxito com diferentes modelos", disse Coates, citando a alteração sobre a possibilidade de cessão de modalidades para cidades do mesmo país ou até mesmo de outros países.

Para tomar uma decisão como essa, o COI afirma se baseará nos custos envolvidos e na sustentabilidade.
Além disso, o contrato do COI com a cidade-sede deve ser público, incluindo as contribuições financeiras feitas pela entidade e as cláusulas relativas ao meio ambiente e as condições trabalhistas.

O órgão também passa a pagar pelas despesas das visitas da Comissão de Avaliação às candidatas.

Os países interessados em sediar os Jogos Olímpicos poderão ter assessores externos, mas o COI exigirá que eles se registrem e assinem o código de ética de entidade.

"Se querem ser parte olímpica, que se declarem dispostas a acatar nossos valores e princípios", afirmou Coates a respeito dos polêmicos lobbys.

Apesar de a mudança ter sido votada por unanimidade, o suíço Denis Oswald foi um dos poucos a se mostrar preocupado. Segundo ele, repartir provas olímpicas com outros países.

"Os atletas estão dispersos e o esporte afetado se parecerá mais com um campeonato mundial, sem ter uma autêntica vivência olímpica, embora os atletas também sejam convidados para estar na cerimônia de abertura", afirmou.

Além disso, acrescentou, que só cidades bem equipadas poderão se candidatar para ser sedes dos Jogos Olímpicos no futuro se a questão orçamentária for priorizada.

"Os países emergentes poderiam ter dificuldades", afirmou Oswald.


Já o holandês Camiel Eurlings disse, por outro lado, que a cruzamento de fronteiras nos Jogos Olímpicos permitirá que países menores tenham chances de organizá-los.
O COI divulgou a lista dessas 40 recomendações no dia 18 de novembro. A sessão desta segunda-feira foi retomada às 11h30 (de Brasília), mas a expectativa é que a votação seja concluída apenas na terça-feira. Todas as medidas aprovadas entrarão em vigor já para o processo de seleção das cidades-sede de 2024.
As propostas estão sendo apresentadas e votadas uma a uma. Se a mudança exigir uma modificação da Carta Olímpica, esta receberá uma emenda de forma imediata sempre que dois terços dos presentes na Assembleia aprove a medida. Dos 104 membros do COI, oito não compareceram ao evento.

Eleito presidente do COI em setembro de 2013, Thomas Bach é o principal porta-voz da necessidade de mudanças no perfil das Olimpíadas. Nos discursos do alemão é frequente a ênfase na importância da adaptação do modelo organizacional dos Jogos às novas necessidades políticas e econômicas da sociedade. Durante a sessão desta segunda, ele agradeceu o empenho dos membros votantes e demonstrou bom humor ao conduzir a votação.


O Presidente do Comitê Olímpico Internacional,o alemão Thomas Bach que é o porta-voz das mudanças nos Jogos,que entendeu que o atual  modelo dos Jogos não é sustentável.


- Considerem minha mão sempre levantada para todos os tópicos.

Um das grandes mudanças até o momento foi a aprovação do item que prevê que o processo de candidatura passe a ser configurado como um convite. Assim, o COI proporá a cidades que considerar potencialmente aptas a receber o evento que montem um projeto de candidatura – em vez de aguardar que um Comitê Olímpico Nacional se pronuncie. 
 
A entidade também aprovou o item em que se compromete a fortalecer suas relações com as ligas profissionais para que as Olimpíadas contem sempre com os melhores atletas de cada modalidade.Nas últimas edições de verão e inverno, a NBA e a NHL liberaram seus principais nomes para as disputas de basquete e hóquei no gelo, mas a resistência de outras ligas, como a de beisebol, dificulta a reintegração da modalidade ao programa olímpico.

Confira as recomendações do COI que foram aprovadas até o momento:
1) Configurar o processo de candidatura como um convite
2) Avaliar as cidades candidatas considerando principais oportunidades e riscos
3) Reduzir os custos de candidatura
4) Incluir sustentabilidade em todos os aspectos dos Jogos Olímpicos
5) Incluir sustentabilidade nas operações diárias do Movimento Olímpico
6) cooperar estreitamente com outros organizadores de eventos esportivos
7) Fortalecer relações com organizações para gerir o esporte para pessoas com diferentes habilidades
8) Forjar relações com ligas profissionais
9) Definir um quadro para o programa Olímpico
10) Mover de um esporte-base para um programa de evento-base
11) Promover a igualdade de gênero
12) Reduzir o custo e reforçar a flexibilidade da gestão dos Jogos Olímpicos
13) Maximizar as sinergias com as partes interessadas do Movimento Olímpico

Recomendações do COI que ainda serão votadas
14) Fortalecer o 6º Princípio Fundamental do Olimpismo
15) Mudar a filosofia para proteger os atletas limpos do Olimpismo
16) Alavancar o fundo IOC US$ 20 milhões para proteger os atletas limpos
17) Honrar os atletas limpos
18) Reforçar o apoio aos atletas
19) Lançar um Canal Olímpico
20) Entrar em parcerias estratégicas
21) Reforçar a capacidade de defesa do COI
22) Propagar educação baseada nos valor Olímpico
23) Envolver-se com as comunidades
24) Avaliar o Esporte para o programa Esperança Olímpica
25) Rever o posicionamento Jogos Olímpicos da Juventude
26) Misturar esporte e cultura
27) Cumprir com os princípios básicos da boa governança
28) Suporte de autonomia
29) Ampliar a transparência
30) Reforçar a independência da Comissão de Ética do COI
31) Assegurar o cumprimento
32) Fortalecer a ética
33) Envolver patrocinadores em "Ação de Olimpismo"
34) Desenvolver um programa de licenciamento global
35) Envolver os patrocinadores principais com NOCs
36) Estender acesso à marca olímpica para uso não - comercial
37) Limitação da idade de membros do COI
38) Implementar um processo de recrutamento alvo
39) Fomentar o diálogo com a sociedade e dentro do Movimento Olímpico
40) Rever âmbito e composição das comissões do COI


Compilado de várias agências internacionais e com adição de informações do próprio autor